Quando ensinar um bebê a nadar

Resultado de imagem para bebê a nadar

Quando ensinar um bebê a nadar

A natação para bebês matronatación é uma atividade afetiva, lúdica, prazerosa e estimulante que, se beneficia o desenvolvimento dos pequenos.
Quando você pode começar a nadar de um bebê
A idade para iniciar a prática desta atividade não está definida. Alguns especialistas indicam que os bebês estão preparados para realizar os seus primeiros exercícios no meio aquático, tão logo nascem. Outros, no entanto, preferem recomendar aos pais que esperem até que o pequeno tenha, pelo menos, 4 ou 6 meses de vida, quando o sistema imunológico da criança está mais maduro e reduzem-se as possibilidades de contrair resfriados e infecções, como a otite, geralmente, as aulas de matronatación em Espanha são indicados para crianças a partir dos 6 meses de idade.
Os recém-nascidos são dotados de uma série de reflexos que tornam possível a sua adaptação ao meio em que se desenvolvem, neste caso a água. Os bebês menores de um ano se adaptam a água mais rapidamente do que as crianças maiores. Falta, por exemplo, do característico medo de água que se vai adquirindo conforme vão crescendo e o que pode dificultar em muitos dos casos a aprendizagem da natação.

Desde o nascimento até os 12 meses, os bebês resistem instintivamente a respiração debaixo de água e se sentem à vontade com a perda de gravidade que se experimenta no meio aquático, porque têm recente a experiência dentro do útero materno. A partir dos 12 meses esses reflexos se perdem e aparecem outros necessários para sua sobrevivência, como o medo do desconhecido, por isso que o final do primeiro ano de vida é demasiado tarde para o início da natação para bebês.
No entanto, ao falar de natação para bebês, é importante ressaltar que pouco tem que ver com o que a maioria das pessoas entende por aprender a nadar, uma atividade que as crianças não podem alcançar até os 4 ou 5 anos. Antes desta idade, são demasiado pequenos para desenvolver a autonomia necessária na água e não têm a habilidade necessária para adquirir a coordenação e os movimentos que requer a natação.

A matronatación centra-se no prazer, domínio e aquisição de certas habilidades. Os exercícios vão destinados a obter a familiarização com a água e estreitar os vínculos de confiança do bebê com seus pais, de que depende a todo o momento, estando no meio aquático.

O primeiro banho do bebê na piscina
As piscinas dedicadas à matronatación estão habilitados especificamente para serem usadas por bebês em companhia de seus pais. Tanto as instalações como suas águas são especialmente adaptados para eles, levando-se em conta toda uma série de indicações de segurança, higiene, cloração, temperatura, e assim por diante, que reduzem o risco de acidentes e infecções.
No entanto, as piscinas comuns não têm em conta tais aspectos. Por este motivo, é recomendável adiar o contato do bebê com elas até os 12 meses de vida, sendo preferível escolher até esse momento, uma piscina de água salgada no lugar das tradicionais de cloro. Se a piscina é descoberta, devemos proteger o bebê do sol com um creme de proteção adequada para a sua idade, não expô-la nunca diretamente aos raios solares, hidratarle com freqüência, colocar um chapéu e óculos de sol para proteger seus olhos da radiação solar.
A piscina ideal para os bebês tem que ser um ambiente tranquilo, sem crianças maiores gritando, espirrar e atirando-se à água por perto. É melhor que a piscina não estiver muito cheia de gente, porque, caso contrário, o bebê pode ficar com medo e associar a piscina sensações perigosas negativas.
Escolher o momento mais adequado para o primeiro contato da criança com a piscina também é importante para que a experiência seja satisfatória e gratificante. Devemos fazer com que o bebê não estiver com fome, nem sono e evitar as horas centrais do dia em que faz demasiado calor e aumenta o risco de desidratação.

O mais aconselhável é colocar o bebê na água pouco a pouco. Primeiro mójale os pés, as pernas e os braços com as mãos e depois sumérgele na água devagar e sujetándole muito bem contra o peito e as axilas. Não devemos nunca deixar um bebê sozinho em água nem soltarle nem um segundo. Embora tenha as mangas, um flutuador está em cima de uma esteira, pode afundar mover-se e cair na água com muita facilidade.
Se o banheiro está sendo de seu agrado, uma vez que o pequeno esteja dentro da piscina, podemos jogar na água com ele. Os bebês gostam de se divertir e é uma experiência muito agradável para o bebê apreciar a água com seus pais, compartilhando risadas e frases carinhosas.
É melhor do que o primeiro banho do bebê na piscina não dure mais de 10 ou 15 minutos para que não apanhe frio nem se canse. Podemos ir ampliando o tempo de permanência na água à medida que o bebé vai crescendo, vai se acostumando ao ambiente aquático. Se em algum momento começa a chorar, tira-os para fora da água e tente novamente mais tarde ou outro dia. O banho tem que ser uma experiência prazerosa, e não uma tortura. Se você passa mal da primeira vez, não vai querer repetir.

Em caso de rejeição, reação de pânico, choro, aléjale da água e fique em um lugar em que possa observar a atividade circundante a partir de uma área segura. Assim você pode ir se familiarizando com o ambiente. Pouco a pouco, a sua inata curiosidade vai fazer você querer investigar e vai querer se aproximar cada vez mais a água.
Quando sairdes da água, tenha à mão uma toalha para secar o bebê de imediato. Muda o fato de banho e a fralda de água por outros novos e ponha roupa seca para que não irrite a pele e apanhe frio.

A primeira experiência do bebê no mar
Mas, basicamente, podemos aplicar as mesmas recomendações, por ser um ambiente diferente, existem algumas nuances que convém ter em conta para que o primeiro banho do bebê no mar seja uma experiência segura e agradável para o pequeno.
Em primeiro lugar, temos de verificar, através de uma prudente exposição gradual se tolera bem o salitre. Embora o cloro das piscinas é mais prejudicial para a pele do bebê que a água do mar e, geralmente, esta é benéfica em caso de eczemas e dermatite , em alguns casos, pode empeorarlos.
O mar pode ser mais traiçoeiro que as calmas águas de uma piscina, devido à capacidade de arraste das ondas. Por este motivo, na praia devemos extremar as precauções e a vigilância. Se o mar está picado, permanecer na margem, pode ser falsamente seguro. Atender as recomendações de primeiros socorros e afastar a criança da água no caso de haver bandeira vermelha são os primeiros requisitos que devemos ter em conta.
Se o mar está sereno, uma boa aproximação para o mar pode incluir uma boa dose de jogos na beira da praia. Podemos jogar com o bebê na areia, as ondas mais próximas à costa, para conseguir que se vá molhando os pés e o resto do corpo, pouco a pouco. No entanto, evita aproximar-se com o bebê para a margem se há crianças correndo, espirrar gritando que possam empurrar molhar o bebê.
Dentro da água, não devemos entrar nunca demais com o bebê no mar. O melhor é permanecer sempre perto da costa, abraçando-o sujetándole firmemente. Sobre a areia, também devemos intensificar os cuidados e escolher um local suficientemente afastado da água para ficar com o bebê fora dela. Desta forma, será mais difícil que se adentre apenas engatinhando nela sem querer.

Se a criança mostra desconfiança e temor, podemos habilitar uma pequena piscina insuflável na areia sob a guarda e preenchê-lo com alguns centímetros de água de chuveiro do mar, para que possa refrigerar, jogar tranquilamente com seus brinquedos e se divertir um pouco. Sempre convém que o bebê já consegue sentar-se por si mesmo e tem de permanecer seguro em todos os momentos.

Benefícios e vantagens da água e nadar para um bebê
Para os bebês, o contato com a água é uma das formas mais divertidas de estimulação precoce. Além disso, o contato com o meio aquático não é para eles um grande impacto, já que eles têm sensações semelhantes às útero materno em que viveram nove meses rodeados de um ambiente líquido. Por este motivo, é frequente que a maioria dos bebês se sentir como um peixe na água” quando ele entra em uma piscina.
Na água, os bebês podem mover-se livremente, exercitar sua musculatura, desenvolver a sua motricidade grossa e a confiança nas suas capacidades. Se a isto somarmos os jogos e a companhia de seus pais, a experiência é sem dúvida enriquecedora para eles.
Mas, para além disso, a prática da natação em idades precoces tem múltiplos benefícios para os mais pequenos da casa. Alguns deles são os seguintes:
Ajuda o bebê a se sentir mais seguro. Familiarizar-se com a água em uma idade precoce aumenta as chances da criança desenvolver-se com desenvoltura e confiança neste ambiente.

Desenvolvimento psicomotor. O bebê ainda não anda, está na água a possibilidade de mover-se tridimensionalmente com muito mais liberdade e continuidade de movimento. O meio aquático permite-lhes adquirir noções de espaço, deslocamento e distância a uma idade muito precoce, o que favorece a sua coordenação motora. O exercício na água também melhora a sua coordenação e equilíbrio, aumenta a sua força e desenvolvimento muscular, assim como suas habilidades motoras.
Fortalecimento do sistema cardiorrespiratorio. A natação fortalece o coração e os pulmões. O trabalho respiratório que se realiza na água aumenta a eficiência da oxigenação e o transporte do sangue.
Ajuda o sistema imunológico. O meio aquático permite que o bebê aumentar suas defesas.
Aumenta o coeficiente intelectual. Os bebês que fizeram natação nos 2 primeiros anos de vida, desenvolvem uma percepção maior do mundo que os rodeia. Isto permite-lhes aprender antes e ser mais criativos e observadores. Além disso, a água estimula a capacidade de jogo da criança, e isso repercute positivamente na sua aprendizagem.
Melhora e fortalece a relação afetiva e cognitiva entre bebê-mãe-pai. Muitas vezes, este se destaca como o mais importante objetivo da matronatación: a capacidade de fortalecer o vínculo de confiança e amor entre mãe/pai e o bebê. Os bebês dependem totalmente de seus pais na água. Seus braços dão segurança e na água recebem a atenção e a companhia de seus pais em todos os momentos. Além disso, a realização de exercícios na água leva a que a família compartilhe experiências ricas e profundas, que não vão acontecer de outra forma. Tudo isso ajuda o bebê a gerar experiências positivas e favorece o conhecimento mútuo bebê/mãe/pai.
Favorece a socialização do bebê de forma positiva em um ambiente lúdico. A convivência na piscina com outras crianças lhe ajudará a se relacionar melhor, além de que você vai aprender a trabalhar em equipe, compartilhando e fazendo atividades e jogos. Uma criança familiarizado com a companhia de pessoas adquire mais confiança para comunicar-se e desenvolver-se em grupo.

Desenvolve habilidades vitais de sobrevivência. Nas aulas de natação para bebês, os pequenos aprendem a segurar a respiração debaixo de água e girar sobre a sua volta e flutuar diante de uma queda de água.
Ajuda o bebê a relaxar. As características físicas da água, juntamente com o exercício físico neste meio favorecem o relaxamento e o sono do bebê.
Abre o apetite. Como todo exercício físico, natação aumenta o apetite.
Favorece o seu desenvolvimento geral. Ao melhorar a sua condição física e psicológica, de descanso e de suas habilidades, o exercício na água favorece o crescimento e desenvolvimento dos mais pequenos.
Precauções e perigos que devemos ter em conta
Segundo a Associação Espanhola de Pediatria , há um risco de que os bebés e as crianças mais pequenas apresentam estes problemas e doenças relacionados com a natação:

Hiperhidratación pela ingestão de água.
Conjuntivite química de cloro, infecciosa viral bacteriana.
Infecção molluscum molusco (infecção da pele a forma de verruga que se espalha pela pele e é especialmente contagiosa em piscinas).
Infecção dos pés por fungos.
Infecção da pele das costas por fungos.
Diarreas.
Possíveis problemas respiratórios, devido ao excesso de cloro.
Queimadura solar nas piscinas ao ar livre (com o consequente risco adicional de câncer de pele).
Traumatismos.
Afogamento com risco de lesões cerebrais graves e permanentes de morte.
No entanto, apesar desses riscos, a AEP não desaconselha a natação com os bebês, devido aos seus múltiplos benefícios. Em seu lugar, ressalta a importância de atender adequadamente às crianças na água e escolher piscinas especialmente preparadas para bebês para minimizar os riscos.

Aulas de natação para bebês
O objetivo das aulas de matronatación não é ensinar as crianças a nadar, mas de prepará-los para esse aprendizado e acostumbrarles a desfrutar na água. Cada escola de natação tem suas próprias regras, mas a média de tempo para este tipo de aulas varia entre 30 a 45 minutos, 2 ou 3 vezes por semana, dependendo da idade das crianças que integram o grupo.
As sessões são curtas, uma vez que a atividade na água é aproximadamente a repetir o mesmo exercício quatro vezes na terra. Como os exercícios aquáticos requerem muito esforço muscular, a maioria dos instrutores recomendam começar com aulas de 15 minutos.
Os exercícios de matronatación estão sempre supervisionados por especialistas e contam com a participação dos pais, que se banham sempre com seus bebês. Consistem, sobretudo, na realização de jogos com materiais recreativos e didáticos como bolas, tabelas, aros e anéis para alcançar o equilíbrio e fortalecer o tônus muscular, o sistema circulatório e o sistema ósseo.

Também se praticam exercícios de adaptação, deslocamento e flutuação. Um dos primeiros exercícios que se realizam para começar a adaptação na água, os mais pequenos consiste em embalar com os braços o bebê e pasearlo pela água, mantendo sempre o contato com ele para gerar segurança e confiança.
Em qualquer caso, tanto se optamos por trazer o bebê para a piscina para a praia preferimos que vá às aulas de matronatación, não devemos esquecer que a primeira experiência do bebê na água é sempre dentro de casa. Podemos gradualmente retirar-lhe preparando para o seu primeiro banho fora de casa, realizando com ele os exercícios na água da banheira para aumentar o prazer e o gosto do pequeno para o meio aquático e prepará-lo para as suas próximas experiências nesse terreno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *